Museu de Cordofones

Trabalhando para os maiores coleccionadores, a nível nacional e da Europa, Domingos Machado tomou posição e decidiu criar a sua própria colecção, com a qual deu vida ao seu museu, inaugurado a 22 de Setembro de 1995.

A tão preciosa colecção é composta por mais de sessenta instrumentos de cordas, ou seja, cordofones, da época medieval, passando pelo barroco e chegando aos dias de hoje. Sobre os mesmos, o museu usufrui de livros evidenciando as suas características, história e modos de serem tocados.

Por este museu passam estudantes universitários e também professores para elaborarem a tese de defesa de mestrado.

Podemos também ver e apreciar as principais fases (treze) da construção artesanal do cavaquinho.

A música de fundo do museu evidencia o som dos instrumentos expostos.

Sobre nós

photo 07-10-15, 15 37 13

Também já vimos Domingos Machado na televisão como, por exemplo, no programa de Paco Bandeira ou de Marco Paulo, assim com nos diversos programas da manhã e tarde por todos os canais da televisão portuguesa abertos e os noticiosos de cabo. Já filmou para a TV Globo, do Brasil, e para uma estação televisiva japonesa.

Não é só na televisão que seu nome é referido. Também figura, assim como sua fotografia, em alguns livros: Instrumentos Musicais Portugueses de Ernesto Veiga de Oliveira; Instrumentos Musicais de Luís Henrique; Roteiro Artesão Português de Maria Natália Almeida D’Eça; Artesanato da Região Norte e As Idades da Madeira do Instituto do Emprego e Formação Profissional; Música Popular Portuguesa de Mário Correia; Os Sons e Tons da Música Popular Portuguesa e Cordofones Portugueses de José Lúcio; Companhia dos Sons de António Castro e Isabel Figueiredo (livro do 6.º ano de escolaridade da disciplina de Educação Musical).

Actualmente, Domingos Machado tem o seu museu aberto a toda a gente que o queira visitar.No seu livro de honra figuram já dedicatória em Português Espanhol Francês Holandês, Alemão, inglês e até em Japonês!

Sente-se realizado pois vê o seu sonho concretizado e a continuação da sua arte por Alfredo Machado, seu filho.